terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

A fuga


Autor: Heleen van Royen
Ano: 2007
Editora: Caderno
Número de páginas: 320

Lido entre 17/02/2017 e 20/02/2017 (4 dias)
Classificação: 4/5


Opinião:
Livro ganho num passatempo há cerca de 2 anos. 
Desde que selecionei o livro para ser o seguinte a ser lido, até ao momento em que efetivamente comecei a lê-lo passou uma semana. A capa não motiva muito a leitura, assim como a sinopse. Se calhar até foi importante a semana de pausa de leituras. Andava a ler "muitos" livros e muito mais rápido do que o normal. Às vezes sinto falta de uns dias de "descanso" das leituras, por forma a poder assimilar algumas das histórias.
Este livro prendeu-me mesmo. Estive sempre a pensar em arranjar mais um bocadinho para ler. E várias vezes li 2h de uma vez, que passaram num instante. 
Em relação ao final, não estava à espera de outra coisa. Mas, em relação a alguns aspetos, gostaria que algumas coisas tivessem sido melhor explicadas. Não gosto muito dos livros que terminam com "meias palavras" para "bom entendedor"...



Sinopse:
"Júlia está farta. Tem 36 anos e vive encurralada na rotina diária da vida familiar. Apetece-lhe largar tudo. Fugir. Por uma vez não quer ser uma boa mãe, uma boa esposa, uma boa filha. Pela primeira vez, faz uma coisa completamente irresponsável: abandona o marido e os seus dois filhos e parte em busca do sol. A presença do seu irmão mais novo, Jimmy, falecido há muito, acompanha-a em espírito apesar de não ter sido convidado. Ele persegue a irmã, lembrando-lhe velhas promessas não cumpridas. 
Apesar das dificuldades iniciais, Júlia acaba por apreciar a sua recém adquirida liberdade. Tem aventuras selvagens, faz uma cirurgia plástica e acaba nos braços de Romeo, um empresário americano que a obriga a olhar para si própria e lhe faz a pergunta crucial: atrever-se-á ela a voltar para casa?"

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

A força do desejo


Autor: Jess Michaels
Ano: 2012
Editora: Quinta Essência
Número de páginas: 225

Lido entre 07/02/2017 e 09/02/2017 (3 dias)
Classificação: 2/5


Opinião:
Livro oferecido pela Angélica há uns anos atrás. Já tinha lido anteriormente um livro do género erótico e não tinha achado nada de especial. Este livro veio comprovar que este género não me motiva muito porque é tudo muito previsível. Metade do livro (ou mais) é com descrições detalhadas de sexo. Há um enredo, obviamente, mas este acaba por não ser importante, tendo em conta o estilo do livro.


Sinopse:
Ao entrar na sua sétima temporada sem namorado, Beatrice Albright começa a entender que a sua beleza não compensa a sua personalidade irritável. Na qualidade de mulher desesperada que ninguém deseja, tem de procurar um homem com quem nenhuma outra pessoa casará: o desprezado e misterioso marquês Highcroft, Gareth Berenger. 
Correm boatos de que ele é um assassino, mas Beatrice tem mais receio de ficar uma velha solteirona na companhia da mãe, do que da obscura reputação de Berenger. Contudo, embora se sinta intrigado pela sedutora proposta da jovem, também ele tem uma proposta a fazer. Dotado de gostos particulares, não casará com nenhuma mulher incapaz de os satisfazer. A sua noiva tem de ser aventureira, sem medo de nada e ansiosa por experimentar todas as paixões e prazeres imaginários, por mais chocantes e proibidos que possam parecer. Se Beatrice concordar em tentar a experiência - se conseguir eliminar todas as suas inibições - os dois casarão. 
Por conseguinte, os dados estão lançados enquanto Beatrice e Gareth embarcam num percurso erótico onde o perigo os espreita a cada curva, rumo a um mundo de êxtase, onde nada é proibido… nada é negado. 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Pedro Abrunhosa e Joana Morais - Pontes entre nós






Eu tenho o tempo,
Tu tens o chão,
Tens as palavras
Entre a luz e a escuridão.
Eu tenho a noite,
E tu tens a dor,
Tens o silêncio
Que por dentro sei de cor.

E eu, e tu,
Perdidos e sós,
Amantes distantes,
Que nunca caiam as pontes entre nós.

Eu tenho o medo,
Tu tens a paz,
Tens a loucura que a manhã ainda te traz.
Eu tenho a terra,
Tu tens as mãos,
Tens o desejo que bata em nós um coração.

E eu, e tu,
Perdidos e sós,
Amantes distantes,
Que nunca caiam as pontes entre nós.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Livros de Eça de Queirós

A propósito desta última obra de Eça de Queirós que li, e por forma a controlar melhor as minhas leituras, gostaria de colocar aqui a listagem de todos os livros publicados, com link para a minha opinião sobre cada um. Nalguns casos não há opinião, porque os livros já foram lidos há muito tempo, quando eu ainda não tinha blog, ou durante o blog anterior.
O curioso é o facto de não haver um consenso entre as datas de publicação dos livros, assim como se as obras são póstumas ou não... Pensava que não haveria dúvidas em relação a isso... Por isso, vou seguir-me pela listagem que uma vez encontrei. É de notar que Eça morreu em 1900.


- O Mistério da Estrada de Sintra (1870 no Diário de Notícias) 1885 - classificação: 2/5
- O Crime do Padre Amaro (1875, versão definitiva em 1880) 1889 - classificação: 5/5
O Primo Basílio (1878) - classificação: 4/5
O Mandarim (1880) 1889 - classificação: 3/5
- A Relíquia (1887) 1891 - classificação: 1/5
- Os Maias (1888) - classificação: 4/5
Uma Campanha Alegre (1890-91)
A Ilustre Casa de Ramires (1900) - classificação: 1/5
A Correspondência de Fradique Mendes (1845-1900)
A Cidade e as Serras (1901) 1900 - classificação: 2/5
Contos (1902)
Prosas Bárbaras (1903)
Cartas de Inglaterra (1905)
Ecos de Paris (1905)
Cartas Familiares (1907)
Bilhetes de Paris (1907)
Notas Contemporâneas (1909)
Últimas Páginas (1912)
- A Capital (1925) - classificação: 3/5
O Conde de Abranhos (1925)
O Egipto (1926)
Cartas Inéditas de Fradique Mendes (1929)
Páginas Esquecidas (1929)
Eça de Queirós entre os seus - Cartas Íntimas (1949)
Folhas Soltas (1966)
- A Tragédia da Rua das Flores (1980) - classificação: 4/5
Dicionário de Milagres
Lendas de Santos


E as obras agrupadas por classificação:
5 estrelas:
O Crime do Padre Amaro

4 estrelas:
O Primo Basílio
Os Maias
A Tragédia da Rua das Flores

3 estrelas:
O Mandarim
A Capital

2 estrelas:
O Mistério da Estrada de Sintra
A Cidade e as Serras

1 estrela:
A Relíquia
A Ilustre Casa de Ramires

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

A Capital


Autor: Eça de Queirós
Ano: 1925 (obra póstuma)

Lido entre 25/01/2017 e 06/02/2017 (13 dias)
Classificação: 3/5


Opinião:
Livro requisitado da biblioteca. Como já devolvi o livro, não me recordo qual era exatamente a editora deste livro, nem o número de páginas.
Já há vários anos que não lia nada de Eça de Queirós, e, por isso, resolvi ler um dos livros que ainda não tinha lido.
Não foi daqueles livros que me prendeu até ao fim, nem que me motivou constantemente a ler (como no "Crime do Padre Amaro" ou na "Tragédia da Rua das Flores"). Mas também não foi daqueles livros em que eu estava constantemente a bocejar, já que a história era mesmo uma seca (por exemplo, na "Cidade e as Serras" ou "A ilustre casa de Ramires"). 
É engraçado como, após ter lido vários livros do mesmo autor, começo a "perceber" o tipo de escrita. Isto é, há alturas em que sabia que o autor estava a fazer descrições e que não era preciso estar muito atenta nesta parte, pois não era fundamental para o desenvolvimento da história.
A personagem principal fazia-me lembrar outras personagens principais de outras obras. Por exemplo, nos livros d' "Os Maias" ou da "Tragédia da Rua das Flores".
O facto da personagem principal ter como objetivo estar nas "boas graças" da sociedade lisboeta, e depois ter-se desiludido, revela o tom crítico do autor em relação à sociedade, muito presente nos livros dele.


Resumo da história:
"Desde o início, que Artur Corvelo sonha com o reconhecimento, a fama e a bajulação - para isso resolve escrever um livro que lhe traga a tão almejada visibilidade. Estuda em Coimbra onde a sua índole insegura, influenciável e contemplativa o impede de aproveitar verdadeiramente a vida académica, preferindo viver através das experiências dos seus colegas do Cenáculo residencial. Após a morte de seu Pai, deixa de ter condições monetárias para concluir o curso e depois de vender todos os seus bens, apenas lhe resta uma existência parasitária em casa de suas Tias em Oliveira de Azeméis. Aí, por entre ilusões de grandeza e grandes feitos, escreve aquele que julga ser o livro que o irá catapultar para o estrelato intelectual lisbonense. Entretanto, descontente com o seu quotidiano "provinciano" gasta os seus dias em partidas de bilhar e em serões bem regados com Rabecaz - antigo marialva em Lisboa, que mistifica histórias acerca dos prazeres lisbonenses. Aquando da morte de seu padrinho, recebe uma herança que lhe permite seguir o seu sonho e parte para a capital.
Lá conhece Melchior e Meirinho (dois fura-vidas interesseiros)que o persuadem a levar uma faustosa vida de aparências, na qual, desbarata a herança em jantares, lugares no teatro de São Carlos, compras fúteis, entre muitas outras peripécias, muito longe da vida pacata e austera apenas dedicada à literatura. Os sonhos vão, um a um, sendo transpostos para banalidades quotidianas -o seu livro é um fracasso de vendas, o seu génio não se distingue e o reconhecimento pessoal é uma anedota -, depressa perdem a prioridade no seu dia-a-dia preenchido de frivolidade citadina. Quando o dinheiro da herança acaba, a fraternidade com Melchior e Meirinho perde a relevância e é obrigado a vender alguns fatos para a passagem de comboio para Oliveira de Azeméis.
No final, retoma a sua velha função de farmacêutico na vila e goza fugazmente da fama de "folião" em Lisboa à custa de histórias a que acrescenta pormenores ficcionados."

domingo, 12 de fevereiro de 2017

La La Land


Nome em português: La la land: Melodia de Amor
Ano: 2017 (em Portugal)
Género: Comédia, Drama, Musical
Realização: Damien Chazelle
Argumento: Damien Chazelle
Elenco: Ryan Gosling (como Sebastian), Emma Stone (como Mia)


Opinião:
Minha classificação: 9/10.
Filme visto no cinema com o Sam no dia 03.02.2017. Já há muito tempo que não íamos os dois ao cinema. Pensava que hoje em dia já ninguém ia ao cinema, mas afinal a sala estava cheia!
Gostei mesmo muito do filme e uma das provas é que estive pouco mais de 2h sem olhar para o relógio, ou a queixar-me de não ter posição para estar sentada! O filme é mesmo giro!
Gostei dos atores, gostei do facto de ser um musical e das pessoas começarem a cantar assim de repente. Tive pena de não ter acabado exatamente como eu gostaria.
Fiquei super curiosa de pesquisar a banda sonora do filme.
E será verdade que, para este filme, o Ryan Gosling aprendeu realmente a tocar piano?
Vencedor de 6 Óscares: Melhor Atriz, Melhor Realizador, Melhor Fotografia, Melhor Direção Artística, Melhor Banda Sonora, Melhor Canção Original.


Resumo do filme:
"Numa movimentada estrada de Los Angeles, Mia (Emma Stone), uma barista no estúdio e aspirante a atriz, encontra um momento de raiva com Sebastian (Ryan Gosling), um pianista de jazz. A sua última audição vai mal apesar de seus esforços. Naquela noite, as companheiras de quarto de Mia levam-na a uma festa luxuosa nos Hollywood Hills. Ela tem que dar um longo passeio de volta para seu apartamento depois de encontrar o seu carro rebocado.
Durante um espetáculo num restaurante, Sebastian entra numa apaixonada improvisação de jazz, apesar das advertências explícitas do proprietário (J. K. Simmons). Mia ouve a música ao passar pelo restaurante e entra no momento em que Sebastian é despedido. Enquanto ele sai, no meio de uma tempestade, Mia tenta cumprimentá-lo, mas ele ignora-a. Meses mais tarde, Mia depara-se com Sebastian numa outra festa onde ele toca com uma banda, músicas dos anos 80. Após o espetáculo, os dois andam juntos para encontrar os seus carros. Eles lamentam estar na companhia um do outro, apesar da química clara entre eles.
Sebastian leva Mia para um clube de jazz, explicando a sua paixão pelo jazz e o seu desejo de dirigir seu próprio clube. Para ajudá-la a se preparar para outra audição, Sebastian convida-a para um encontro no cinema. Mia sai de um encontro duplo com seu namorado e seu irmão e corre para o teatro, encontrando Sebastian assim que o filme começa. Os dois concluem o seu encontro com uma dança no Observatório Griffith (Planetário).
Depois de várias audições fracassadas, Mia decide escrever uma peça pessoal de uma única atriz, por sugestão de Sebastian. Sebastian começa a tocar regularmente no clube de jazz e os dois vão morar juntos. Keith (John Legend), um colega de escola de Sebastian, convida-o para tocar teclado na sua banda de jazz. Sebastian está consternado com o estilo pop da banda, mas decide assinar com eles. Mia assiste a um de seus concertos, e preocupa-se sabendo que esse não era o sonho de Sebastian. Durante a primeira toor da banda, Mia confronta Sebastian que por sua vez afirma que é o que ele queria, antes de acusá-la por gostar dele apenas quando ele era menos bem sucedido. Insultada, Mia sai. Na noite de estreia da peça de Mia, Sebastian não aparece devido a uma sessão de fotos que ele havia esquecido. Apenas algumas pessoas assistem ao espetáculo e Mia escuta comentários negativos dos bastidores. Deprimida, ela deixa Los Angeles e volta para casa para Boulder City, Nevada.
Um dia, Sebastian recebe um telefonema de uma diretora de elenco que participou e apreciou a peça de Mia. Ela convida Mia para uma audição na manhã seguinte. Sebastian dirige para Boulder City e persuade Mia para retornar. Mia é simplesmente convidada a contar uma história para a audição. Ela começa a cantar sobre a sua tia que a inspirou. Confiante de que a audição foi um sucesso, Sebastian afirma que Mia deve dedicar-se sinceramente à oportunidade. Eles dizem que sempre se amarão e verão onde as coisas vão entre os dois.
Cinco anos depois, Mia é uma atriz famosa e casada com outro homem (Tom Everett Scott), com quem ela tem uma filha. Uma noite, o casal acaba entrando num bar de jazz, supostamente, aleatório. Percebendo o logotipo do Seb, Mia percebe que Sebastian finalmente abriu seu próprio clube. Sebastian reconhece Mia na multidão e começa a tocar seu tema de amor, provocando uma sequência de sonho em que os dois imaginam o que poderia ter sido um estilo tradicional de Hollywood com eles beijando a primeira noite no restaurante, Mia sendo uma atriz e Sebastian tocando no seu clube, e eles vivendo feliz com seu filho. 
Mia sai com o marido. Antes de sair, ela compartilha com Sebastian um último olhar e sorriso, felizes pelos sonhos que eles conseguiram."


Trailer: 

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Serendipity

Nome em português: Feliz acaso
Ano: 2001
Género: Comédia, Romance
Realização: 
Argumento: 


Opinião:
Minha classificação: 8/10. Filme visto em 25.01.2017.
Estava na lista dos filmes que eu queria ver, mas já não me lembro porquê. Na primeira meia hora do filme, achei-o bastante ridículo e ponderei desistir. Depois começou a ficar mais interessante e fiquei contente por não ter desistido. Não é que eu costume desistir... :p
Gostei dos fatores "tempo" e "acaso". Qual é a probabilidade de voltarmos a encontrar determinado livro ou determinada nota? Mas se calhar no nosso dia-a-dia deparamo-nos com coisas com fraca probabilidade de acontecer e nem reparamos nisso.
É um filme bastante simples, mas até engraçado.


Sinopse:
"Numa noite mágica, Jonathan conhece Sara. É amor à primeira vista, mas acabam por seguir rumos diferentes. Sara acredita no destino. Ela está pronta a escolher Jonathan para seu companheiro se certas coisas lhe voltarem a aparecer: uma luva de caxemira perdida, uma nota de cinco dólares com algo escrito à mão e um número de telefone num livro. Agora, depois de 10 anos e 3 mil milhas entre eles, decidem reencontrar-se de novo para saberem se o seu amor é verdadeiro."


Trailer:


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Querido inimigo


Autor: Jean Webster
Ano: 2011
Editora: Biblok
Número de páginas: 191

Lido entre 20/01/2017 e 24/01/2017 (5 dias)
Classificação: 2/5


Opinião:
Livro emprestado pela minha irmã. 
Ia com a ideia que seria um livro simples, com piada, que se leria rápido, mas afinal não me senti nada motivada durante a leitura. Estava sempre a pensar que tinha de ler rápido para poder mudar de livro... 
Achei a história muito previsível e nada interessante. A sinopse praticamente que informa como tudo vai terminar. Como pontos negativos, gostaria de acrescentar o facto de ter alguns erros ortográficos (2 erros), algumas gralhas e alguns frases com a pontuação mal colocada. Foi pouca coisa, e praticamente só no início do livro, mas não gostei.
A história é contada sob a forma de cartas que a protagonista escreve à amiga. Nunca sabemos exatamente a opinião da amiga, mas dá para ter uma ideia, tendo em conta a carta que é escrita depois.
Ao fazer uma pesquisa sobre o livro para escrever este post, descobri que é a continuação do Papá das pernas altas! Oh, porque é que eu não soube disso antes? Será que a minha irmã disse-me isso?


Sinopse:
"Sallie McBride, uma rapariga de boas famílias, converte-se sem querer na nova encarregada do orfanato rural John Grier, um cargo para o qual não está preparada... Presa no campo, sem mais companhia do que o político retirado e o médico que trata os órfãos, Sallie descobrirá que há uma vida para lá da alta sociedade de Nova Iorque, aprenderá a ser altruísta... e conhecerá o seu verdadeiro amor."

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Jason Mraz - 3 Things



Álbum: Yes!
Data de lançamento: 2014


Confesso que gosto muito da melodia e não acho grande piada à letra...

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

A filha da minha melhor amiga


Autor: Dorothy Koomson
Ano: 2006
Editora: Porto Editora
Número de páginas: 448

Lido entre 09/01/2017 e 19/01/2017 (11 dias)
Classificação: 4/5


Opinião:
Livro emprestado pela minha irmã.
Este foi o 3.º livro que li de Dorothy Koomson e começo a perceber mais ou menos o tipo de escrita dela.
Gostei do enredo e das personagens. Achei apenas que a criança de 5 anos tinha um tipo de vocabulário e de associações de pensamentos muito evoluídos para a idade. No final a autora ainda colocou a criança a pronunciar mal algumas palavras, o que não fazia muito sentido quando a criança sempre falou bem durante todo o livro. Acho que se queria que a criança fosse assim tão perspicaz, deveria ter criado uma personagem mais velha.
O final deu algumas voltas, mas acabou como eu gostaria que tivesse terminado.


Sinopse:
"A forte relação de amizade entre Kamryn Matika e Adele Brannon, companheiras desde os tempos de faculdade, é destruída num instante de traição que marcará as suas vidas para sempre.
Anos depois desse incidente, Kamryn é uma mulher com uma carreira de sucesso, que vive sem ligações pessoais complexas, protegendo-se de todas as desilusões. Mas eis que, no dia do seu aniversário, Adele a contacta... A amiga de Kamryn está a morrer e implora-lhe que adote a sua filha, Tegan, fruto da sua ilícita relação de uma noite com Nate.
Terá ela outra escolha? Será o perdão possível? O que estará Kamryn disposta a fazer pela amiga que lhe partiu o coração?"